Seguidores

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

VAMOS FAZER O ANO NOVO!!!!

O Natal passou, Papai Noel apareceu na varanda do Dindo (tomou leite e cupcake!!) e o encantamento do nascimento de Jesus se renovou. A família se reuniu, rimos, brincamos, curtimos e agora começam as reflexões para o novo Ano que está já já começando...

É inevitável a arrumação da casa pois dizem que não devemos acumular a poeira de um ano em outro, que devemos abrir espaço em nossos armários, vidas e corações para o que está reservado no novo ano.

Fatalmente, ainda que sem intenção, nos vemos preparando um lista de resoluções (a minha já tem umas 5 que pretendo cumprir não por ser outro ano mas para a vida mesmo) e desejando que, como em um passe de mágica, no 1 instante do ano que vem as coisas e os sentimentos ruins desapareçam...

Esta fé no novo é que move as pessoas e nos faz seguir em frente. Mas não basta só acreditar temos que fazer a nossa parte!

Que em 2011 todos sejam mais felizes, mais generosos, mais econômicos e ecológicos, se doem mais, convivam mais, aprendam mais, perdoem mais, se abram aos amigos (velhos ou novos) e, principalmente, amem mais!!!


RECEITA DE ANO NOVO - Carlos Drummond de Andrade

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

FELIZ NATAL A TODOS!!!!!


Mais um ano vai acabando e a época que mais gosto chega: NATAL!!!!!

Sempre gostei do Natal, quando era criança lembro da noite na casa do vovô Bebeto, a espera pelos primos que moravam em outra cidade, os presentes sendo distribuídos, o choro dos mais novos quando Papai Noel aparecia, a oração agradecendo pelo ano, por estarmos juntos, pelos que já haviam partido, a mesa das "crianças", o pudim de leite condensado, o pernil e o peru que vovó fazia.

Lembro da ansiedade do dia seguinte pois quando chegávamos em casa era quase sempre dormindo e não víamos os nossos presentes. De pijama, eu e meu irmão, montávamos os brinquedos, brincávamos juntos e implicávamos sempre...

Lembro do almoço de Natal que minha avó sempre ia na casa da Tia Lia com a família enorme reunida e seus lindos pratos de Natal pintados a mão! Sempre os adorei e fiquei muito feliz quando ela me deu alguns deles depois que casei.

Hoje o Natal mudou um pouco, algumas pessoas queridas se foram, a casa do vovô já não tem mais ceia e o pudim da vovó agora é feito pelo Tio Gilton mas o gosto não é igual.

Mas como a vida é um ciclo, novas pessoinhas chegaram, novos membros da família e outras tradições precisam ser criadas.

Hoje temos a ceia na casa do meu irmão onde Papai Noel, guloso como ele só, é recebido com bolo de nozes com damasco (receita da avó da minha cunhada) e coca-cola. Os sapatos ficam na varanda e, em algum momento, um barulho acontece no andar de cima e a correria para ver os presentes é grande!!!

É tão bom ensinar o significado do Natal para nossos filhos, tentar que não sejam só os presentes mas o estar junto, festejar o nascimento de Jesus.

Para isso, inventei a história de que um dos Reis Magos (providencialmente, no livro dele um deles tinha uma enorme barba branca) teria virado Papai Noel depois que Jesus havia pedido a ele para distribuir os seus presentes de aniversário entre as crianças que tinham sido boas e obedientes durante o ano. Sei que disvirtuei um pouco a história mas foi por uma boa causa!

Não sei até quando o Bernardo irá acreditar em Papai Noel mas é muito legal ver o Lucas, que já sabe a verdade, entrando na onda e fazendo de tudo para manter a magia para o primo..

Este post era para isso: Memórias de Açucar de Natal!!!

Desejo a todos UM NATAL MARAVILHOSO e que possamos ter muitas Memórias para recordar!!!!!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

E chegamos aos 10 seguidores!!!

Estou super feliz!!!! Cheguei aos 10 seguidores! O começo de, quem sabe, 100 ou 1000 (sonhar não custa nada)...


Agradeço aos velhos amigos que estão me seguindo e as novas amigas que encontrei neste mundo de blog... As acompanho diariamente e fiquei lisonjeada de estar sendo seguida por elas.


Espero que nossa amizade iniciada possa seguir e se transformar em muitas Memórias com Açucar!!!!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Receita mais que especial!!!!

Recebi este texto da minha cunhada ontem e é incrível como, principalmente, nesta época do ano o mesmo "cai como uma luva" em quase todas as casas que conheço, pude ver a minha família, a família da Ana, da Vivi, da Márcia, da Helena, da Juliana, da Karine e de tantos outros...


Especialmente para aqueles que irão ler e se identificar...

"Família é prato difícil de preparar"
(de "O Arroz de Palma, de Francisco Azevedo)

Família é prato difícil de preparar. São muitos ingredientes. Reunir todos é um problema, principalmente no Natal e no Ano Novo. Pouco importa a qualidade da panela, fazer uma família exige coragem, devoção e paciência.

Não é para qualquer um. Os truques, os segredos, o imprevisível. Às vezes, dá até vontade de desistir. Preferimos o desconforto do estômago vazio. Vêm a preguiça, a conhecida falta de imaginação sobre o que se vai comer e aquele fastio.
Mas a vida, (azeitona verde no palito) sempre arruma um jeito de nos entusiasmar e abrir o apetite. O tempo põe a mesa, determina o número de cadeiras e os lugares. Súbito, feito milagre, a família está servida. Fulana sai a mais inteligente de todas. Beltrano veio no ponto, é o mais brincalhão e comunicativo, unanimidade. Sicrano, quem diria? Solou, endureceu, murchou antes do tempo. Este é o mais gordo, generoso, farto, abundante. Aquele o que surpreendeu e foi morar longe. Ela, a mais apaixonada. A outra, a mais consistente.

E você?  É, você mesmo, que me lê os pensamentos e veio aqui me fazer companhia. Como saiu no álbum de retratos? O mais prático e objetivo? A mais sentimental? A mais prestativa? O que nunca quis nada com o trabalho? Seja quem for, não fique aí reclamando do gênero e do grau comparativo. Reúna essas tantas afinidades e antipatias que fazem parte da sua vida. Não há pressa. Eu espero. Já estão aí? Todas? Ótimo. Agora, ponha o avental, pegue a tábua, a faca mais afiada e tome alguns cuidados. Logo, logo, você também estará cheirando a alho e cebola. Não se envergonhe de chorar. Família é prato que emociona. E a gente chora mesmo. De alegria, de raiva ou de tristeza.

Primeiro cuidado: temperos exóticos alteram o sabor do parentesco. Mas, se misturadas com delicadeza, estas especiarias, que quase sempre vêm da África e do Oriente e nos parecem estranhas ao paladar tornam a família muito mais colorida, interessante e saborosa.
Atenção também com os pesos e as medidas. Uma pitada a mais disso ou daquilo e, pronto, é um verdadeiro desastre. Família é prato extremamente sensível. Tudo tem de ser muito bem pesado, muito bem medido. Outra coisa: é preciso ter boa mão, ser profissional. Principalmente na hora que se decide meter a colher. Saber meter a colher é verdadeira arte. Uma grande amiga minha desandou a receita de toda a família, só porque meteu a colher na hora errada.

O pior é que ainda tem gente que acredita na receita da família perfeita. Bobagem. Tudo ilusão. Não existe Família à Oswaldo Aranha; Família à Rossini, Família à Belle Meuni; Família ao Molho Pardo,  em que o sangue é fundamental para o preparo da iguaria. Família é afinidade, é à Moda da Casa. E cada casa gosta de preparar a família a seu jeito!!!

Há famílias doces. Outras, meio amargas. Outras apimentadíssimas. Há também as que não têm gosto de nada, seriam assim um tipo de Família Dieta, que você suporta só para manter a linha.  Seja como for, família é prato que deve ser servido sempre quente, quentíssimo. Uma família fria é insuportável, impossível de se engolir.

Enfim, receita de família não se copia, se inventa. A gente vai aprendendo aos poucos, improvisando e transmitindo o que sabe no dia a dia. A gente cata um registro ali, de alguém que sabe e conta, e outro aqui, que ficou no pedaço de papel. Muita coisa se perde na lembrança.
Principalmente na cabeça de um velho já meio caduco como eu. O que este veterano cozinheiro pode dizer é que, por mais sem graça, por pior que seja o paladar, família é prato que você tem que experimentar e comer. Se puder saborear, saboreie. Não ligue para etiquetas. Passe o pão naquele molhinho que ficou na porcelana, na louça, no alumínio ou no barro. Aproveite ao máximo. Família é prato que, quando se acaba, nunca mais se repete.
 
"Se tivéssemos consciência do quanto nossa vida é passageira,
talvez pensássemos duas vezes antes de jogar fora as oportunidades
que temos de ser e de fazer os outros felizes"

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

E Dezembro chegou!!!

Vou tentar fugir do clichê mas o mesmo acaba sendo inevitável pois, quando a folhinha do calendário vai terminando, as luzes de Natal vão surgindo, as festas começam a ser planejadas, vem a mesma sensação de sempre: COMO O TEMPO ESTÁ VOANDO...

O fato é que a vida hoje com sua correria transformou dias, semanas, meses e anos em meros momentos. 

Lembro que quando era pequena (e hoje vejo o Bê fazer o mesmo!) tinha uma ânsia muito grande para que tudo acontecesse rápido pois esperar demorava demais!!! Ah, se eu soubesse o que sei hoje!!! 

Se soubesse teria:
  • ouvido mais o canto dos canários com meu avô Hélio e aprendido mais sobre a natureza;
  • tocado mais violão para meu avô Bebeto, tocaria até as guarânias paraguaiais que até hoje ao ouvir lembro do sofá da sala dele;
  • ido a mais procissões de São Judas com a vovó Adyr só para poder vê-la levar o andor, segurando sua carteira embaixo do braço;
  • curtido mais as aulas de inglês na sala da casa da minha avó Loura, até hoje lembro da Lassie deitada no capacho aprendendo a "latir em inglês" (kkkk);
  • aproveitado mais o tempo que meus primos (Marcelo, Alexandre e Rosana) passavam em Teresópolis;
  • me dedicado mais às aulas de ballet com minha amiga Viviane e tantas outras que hoje só vejo em fotos ou, aquelas que encontrei, nas redes sociais...;
  • passado mais fins de semana na Granja Guarani com a Vivi, Karin, Martin, Tia Erika e Tio Rodolfo, seus cachorros inesquecíveis e que, infelizmente, circunstâncias da vida levaram para longe;
  • mantido contato com a turma do volley, do handbol, do colégio, da faculdade;
  • olhado mais para as nuvens, aprendido a surfar, pescar, meditar...
  • conversado mais com meu irmão, sem tanta implicância;
  • ouvido mais meus pais sem tanto "eu já sei" tão característico das crianças e que hoje volta para mim...; e, principalmente,
  • dito mais AMO VOCÊS!!!
E lá se vai Dezembro de 2010 e com ele mais erros, acertos, ensinamentos, aprendizados, esperanças, brigas, enfim.

Resta fazer com que o pouco que falta seja pleno, ainda temos o Natal que AMO de paixão e o Reveilon para levar e lavar a alma...

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Mudança de rumo do blog

Tenho uma amiga de infância que dizia que de 7 em 7 anos as pessoas mudam de gosto, de paladar, resolvem experimentar novidades. Não sei se concordo de todo mas sei que as vezes percebo isso em pessoas próximas: aquele que adorava queijo passa a gostar de presunto ou quem nunca bebeu cerveja, começa. Se é por causa dos 7 anos, ninguém sabe.

O fato é que, não sei ainda a causa, tenho me visto gostando e fazendo coisas que antes não imaginava. Isso em termos de trabalhos/artes manuais...

Desde que comecei a fazer cupcakes, descobri em mim uma vontade de dedicar algum tempo para criar coisas novas, pode ser receitas, artesanato, qualquer coisa que faça a minha mente se desligar da rotina. Procuro também, sempre que posso, integrar o Bernardo nestas experiências para que ele possa curtir uma infância sem tanto video game e computador. Ele adora!

Seguindo os blogs que já adoro (http://arte-com-quiane.blogspot.com/om/, http://jud-artes.blogspot.com/, http://artedorinha.blogspot.com/) e outros tantos que a cada dia descubro tenho achado dicas, tutoriais e paps que ajudam demais a quem, como eu, não tem o dom já nato.

Neste último feriado, fomos para Teresópolis e, pelo tempo horroroso, não pusemos o pé na rua, então...

Inspirada na idéia da JUD (http://jud-artes.blogspot.com/2010/11/bandejinha.html) decidimos reciclar bandejas de isopor já nos preparando para o Natal.
 As bandejas ficaram lindas demais e o preparo é tão legal que já corremos para juntar mais (já que, no caso do isopor, não podemos reciclar de outra forma) e nos divertir...

Então, vou mudar o rumo do blog para dividir com vocês nossas aventuras nas áreas de culinária (cupcakes, bolos), do artesanato e, das outras que a imaginação deixar....

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Ida ao Saara preparação do aniversário do Bernardo

Acredito que todos conhecem o conjunto de ruas, localizado no Centro do Rio de Janeiro, que possui a maior quantidade de lojas especializadas em bugigangas, artigos para festa e pessoas por metro quadrado: o Saara.

Eu, particularmente, fui apresentada oficialmente ao Saara pela minha amiga Ana, nos tempos em que só ela tinha filho e estava envolvida nos preparativos da festa de, acho eu, 3 anos do Diego (hoje um homem de 20 anos...). Não sei bem ao certo o que eu, uma jovem universitária sem nenhum compromisso, me deixava ser "arrastada" para aquelas ruas com a finalidade de carregar sacolas e, como Ana deve se lembrar, sempre com aquele meu olhar de reprovação a cada sacolada que levava.  

Confesso que um local com tanta gente andando com sacolas enormes, por vezes até, com árvores penduradas nos ombros, me incomoda um pouco até porque, não sei exatamente o motivo, mas sempre que entro nas lojas, aparentemente vazias, elas tendem a encher de uma hora para outra. Já pensei até em abrir um negócio, quem sabe o açucar que tenho funciona? No fundo, acho que não daria muito certo, sabe, Lei de Murph.

Fato é que depois de tantos anos longe do Oásis do Saara e agora com outras companheiras, tão ou mais animadas em vasculhar as lojas à procura dos enfeites para o aniversário de 5 anos do Bernardo. Fomos eu, Ana Paula (minha querida cunhada e amiga), Cláudia (mãe da Paula e amiga tão especial) e, é claro, Júnior (marido, nessas horas, serve para carregar sacolas, muitas sacolas...).

Junior, que não conhecia o Saara, somente o Beco da Poeira em Fortaleza (primo paupérrimo do Saara) já na chegada à Rua Uruguaiana, se encantou com as barracas, hoje, stands de tênis (meu marido tem verdadeira compulsão por tênis) então achou que estava no melhor dos mundos onde poderia comprar tênis de marca por preços atrativos, isso de longe pois quando chegou perto pensou melhor e desistiu.     

O Saara estava da mesma forma que lembrava a tantos anos atrás só que dessa vez ainda havia uma chuvinha fina e muita gente em função do feriado do Dia das Crianças!!!! Claro que não podíamos ter escolhido data melhor, quem poderia imaginar???

Claro que comprei um guarda chuva "na minha mão é R$5,00" que não usei pois não havia espaço suficiente para abrir no vasto céu das ruas estreitas... e que ficou pesando em minha bolsa até o fim do "passeio".

Foram 5 horas e meia de andança e compras, com uma parada estratégica no Restaurante Cedro do Líbano com suas cadeiras estampadíssimas e sua comida deliciosa, e, dessa vez, confesso que com toda dor nos ombros (eu parecia aqueles homens cartazes pois resolvi comprar embalagens para os cupcakes e nestas inclui embalagens para transporte de tortas que foram transportadas abertas, visualizem a cena!!!), dor nos pés, nas mãos e o olhar de "chega, vamos embora" do meu marido, valeram a pena pois encontrei artigos para a festa do Mickey que se comprasse em outro lugar teria pago o dobro. 

Andamos muito, rimos muito, esbarramos muito mas foi, apesar de tudo, divertido..      

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Fascínio pela Internet e, ainda que tardio, pela Culinária

Voltei após longos dias sem postar nada, não por falta do que escrever mas por excesso das duas jornadas diárias (trabalho e família). É incrível como a gente fica absorvida por isso e não se dá conta que também precisa fazer algo que te dê prazer.

Como mencionei no primeiro post, não tenho a intenção de me tornar uma blogueira famosa mas ao iniciar este blog conheci o vasto universo dos blogs e seus autores/as e passei a conhecer, através de seus posts, pessoas de diferentes países e estados.

Como consequência do meu novo hobbie, os cupcakes, iniciei uma pesquisa por imagens, receitas e inspirações que me levou a blogs extremamente interessantes como o Cupcakes Take the Cake e o Bakerella. Também não deixo de conferir as atualizações de Karas party ideas; B de brigadeiro; Inventando com a mamae; Brigadeiro de colher; e é claro o da minha querida Viviane - La Vie.

Nestas viagens encontro inspiração para meu novo fascínio: a Culinária. Não são só os cupcakes e os bolos ou mini bolos mas também receitas salgadas que parecem tão apetitosas nos blogs com passo a passo que pretendo testá-las logo, logo.

Sei que muitos dos que me conhecem devem estar surpresos mas é verdade estou quase me tornando uma personagem do filme "Julie e Julia" hahahaha.

E era isso por hoje, ainda devo o post sobre minha ida ao Saara mas fica para o próximo.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Tempo passando rápido demais!!!

Estou, de novo, devendo postings a meus tantos seguidores (como dizem o que importa é a qualidade não a quantidade!!!).

Hoje quero dividir com vocês a sensação que tenho que o mundo roda muito rápido e o tempo, depois dos nossos 15 anos, não passa, VOA!!!


Já estou novamente envolvida nos preparativos do aniversário do Bernardo - 5 anos!!! Parece que foi ontem que ele ainda estava pequenino nos meus braços com seus olhos expressivos e suas "pernas magrelas", como sua dinda dizia.

Hoje em dia está um meninão, que faz aula de jui-jitsu (adora por sinal), joga videogame sozinho e já fala até em namoradinha no colégio!!!! (Para o mundo que quero descer!!!!)

Neste fim de semana, tivemos outra amostra de como o tempo galopa: Lucas doou para o Bê diversos livros de quando era criança pois hoje, com quase 10 anos, não os lê mais.
Ficamos eu e minha mãe olhando melancólicas aquela parte da infância (que lembrávamos tão claramente de ter dado a ele - a alguns dias atrás!!!) ser transferida para "a próxima geração"...

Olhando para eles crescendo dá uma vontade enorme de mantê-los assim pequenos, inocentes, como Peter Pan por mais algum tempo mas, sendo isto impossível, o que precisamos fazer é CURTIR demais cada fase e aproveitar a companhia, ainda que ao fim do dia pareça que não temos mais energia, pois daqui a pouco o tempo nos fará perceber, mais uma vez, que NÃO PARA e também NÃO VOLTA!!!

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Revendo amigos de bons tempos!!!!

Hoje tivemos visitas mais que especias!! Amigos de outros tempos que a vida separou fisicamente mas nunca carinhosamente... Zé Roberto e Paula! Amigos de quando trabalhava na KPMG (a quase 10 anos atrás...).

Incrível como o tempo parece não ser nada quando existe o carinho e afeto. O abraço é o mesmo, o prazer da conversa e de estar junto, ainda que por poucas horas, trazem lembranças e sensação de bem estar. 

Paula, amiga querida, trainee na mesma época em que comecei, não via desde o batizado do Bernardo em 2006. Hoje, conversando, vi o tanto que nos afastamos neste meu período em Fortaleza mas, certamente, o carinho e admiração permanecem. Após este breve encontro, te digo minha amiga, que não nos perderemos mais... Que nossos meninos possam brincar juntos!!!

Zé Roberto, amigo mais que querido, profissional que admiro tanto, hoje avô mas nem por isso menos espirituoso e autêntico. Com este não perdi o contato, graças a nosso grupo virtual (Lucilda, Maurício, Márcia, Vânia, Zé Antonio, Zé Roberto e eu). Apesar de não participar ativamente dos debates, morro de rir dos comentários e das histórias de cada um...

Hoje vou dormir lembrando de um tempo de muito trabalho, períodos de pico, clientes distantes, estresses com relatórios e gerentes mas cheio de amizade, companheirismo, boas risadas e, principalmente, bons amigos.

sábado, 11 de setembro de 2010

Doces Avós!!!

Estive ausente por alguns dias acumulando idéias para postar por aqui mas como estava envolvida com a primeira encomenda da "Doce Amizade"!!!

Para os que ainda não sabem: "Doce Amizade" é minha mais nova empreitada, meu novo hobbie... Me uni a uma querida amiga aqui de Macaé e começamos a fazer cupcakes, bolos e outras delícias. Ainda estamos engatinhando mas nossas tentativas estão resultando em sabores e decorações cada vez mais apurados...

É uma terapia, podemos passar um tempo conversando, cozinhando, bolando recheios e modelando cupcakes... Nossa primeira encomenda foi para o aniversário de 85 anos de pessoa muito especial: minha avó!!! (claro! a família tem que ajudar!!!)

Agora cheguei ao tópico que quero falar: DOCES AVÓS!!!

Desde pequenos aprendemos que avós são pais com açucar!! Isso mesmo, com açucar, pois avós existem para contrabalançar os limites que os pais são responsáveis por impor. Avós amam irrestritamente pois, a princípio, não são eles que tem a obrigação de educar... (claro que existem exceções)

No meu caso foi exatamente assim... Meu avô Fundão foi um pai rígido mas um avô posso dizer, em alguns casos, permissivo e muito doce - nos deixava jogar bola na sala cercada de vidros, brincar com abacates podres no quintal... Claro que tínhamos limite, e eu bem aprendi a não o responder à mesa depois que ele colocou a colher que servia pimenta dentro do meu copo d'água (imaginem a situação... beber água e a mesma queimar!!) rsrsrsrs

Minha avó Adyr fazia doces e salgados para as festas em família, as vezes, usava sal em receitas doces e ríamos da situação!!!! Até hoje sinto falta dela nestas ocasiões, era o ponto central de nossa família!!

Do meu avô Hélio, lembro pouco mas este pouco tem som e cheiro... som de passarinhos e cheiro de Leite de Rosas e jiló. Lembro de seus chinelos e seus braços (tão parecidos com os do meu irmão...)

Por fim, mas claro que não menos importante, minha avó Maureen (Lora para os mais íntimos). Sempre presente em minha vida, uma pessoa cativante e doce que nos acompanhou de perto em cada etapa de nossa vida... Lembro com carinho de seus botões emprestados para jogarmos futebol, dos retalhos para as roupas dos meus bichos de pelúcia, das aulas de inglês, do "sumiço dos brinquedos irritantes" em cima do seu armário. Mas com seu jeito de sempre nos dizer que já não devia mais estar entre nós!!! (Puro absurdo!!!)

No dia 04, fez 85 anos e por mim, chegará aos 100!!!!

Enfim, festejar 85 anos da minha avó junto aos amigos e família foi uma enorme alegria. Que outros mais venham!!!

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Homenagem a amigos especiais!!!

Hoje as memórias serão mais do que de açucar, serão de caramelo!!

Estava bisbilhotando o orkut da minha amada amiga-irmã Ana Luisa e me deparei com as fotos da mais recente comemoração daquela família maravilhosa, 40 anos de casados dos meus queridos 2o. pais!! Me bateu uma saudade tão profunda mas ao mesmo tempo uma felicidade tão grande de poder, ainda que a muitos quilômetros de distância, me sentir parte desta família.


Conheci Ana e, consequentemente, Tia Maisa, Tio Eliandro, Mada e os meninos, no primeiro ano de faculdade (lá em 1992 - o tempo passa rápido demais!!!). Confesso, que, de primeiro, não simpatizamos muito, Ana dizia que eu parecia uma menininha recém saída do colégio (o que era verdade! - tinha somente 17 anos!!!) com meus jeans, camisetas Hering, tênis e mochila nas costas, e ela já com filho, marido, etc... mas depois viramos unha e carne.

Diego, seu filho tinha uns 2 anos, hoje está com 20, já foi até meu padrinho de casamento!!! Tão lindo aos 15 anos de terno, todo compenetrado...


Malu, que acompanhei desde a notícia da gravidez, cuidei dentro das minhas limitações de amiga-ainda-não-mãe com todo amor, fará 10 anos daqui a alguns dias!!!

Tenho diversas histórias dessa minha segunda família, família esta que morava no Rio e que, quando me mudei para o Ceará (que conheci pro intermédio dela), acabou também optando por "voltar às origens" e para minha felicidade se mudaram para lá também. E puderam acompanhar um pouco minha história também!! Sempre foram meu porto seguro e apoio nas horas difíceis. Hoje, já que me mudei para Macaé, por circunstâncias "alheias" a minha vontade (mas das quais não posso reclamar de forma alguma), estamos afastados geograficamente mas não carinhosamente.

Tia Maisa e Tio Eliandro, não sei se algum dia disse a vocês ou se vocês tem a noção do quanto foram, SÃO e sempre serão IMPORTANTES na minha vida! AMO VOCÊS INTENSAMENTE!!!

Parabéns pelos 40 anos de casados, pelos 65 anos de Bem e 64 de Maisa, pela família linda, pela força e, principalmente, pelo exemplo e carinho que transmitem a quem os conhece.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Tchau Corsa 1.0

Estive meio fora do ar estes últimos dias pois uma gripe decidiu colar em mim desde semana passada e gostou tanto que ainda não foi embora!! Começo a pensar que devo ser uma pessoa bastante agradável pois até a gripe gosta da minha companhia!!! rsrsrsrs

Amigos, ontem trocamos a dívida do Corsa 1.0 - 2008, por uma dívida de um Palio Weekend 1.8 - 2010!!! A verdade é que, desde que mudamos para Macaé, com as viagens mais constantes à Teresópolis e os inúmeros caminhões ENORMES que transitam por nosso caminho esta necessidade ficava cada vez mais forte!

Nossas viagens com o Corsa eram divertidas pois tínhamos nosso próprio sistema TURBO... a cada ultrapassagem, Junior apertava o botão do ar condicionado, desligando-o, para que o carro tivesse força para vencer os 25/30 metros de cada caminhão... Bernardo falava: Vai, Papai!!! Igual ao Relâmpago McQueen!!! e lá ia - vrummmmmm cof cof cof....

Certamente, com este novo carro, esta diversão terá que ser substituída...

Nosso novo carro é grande com uma mala enorme. Será este o começo para o planejamento de aumentar a família? Por enquanto, digo a vocês, que esta idéia vem povoando e muito a minha mente. Não estou ficando mais nova, Bernardo está crescendo e se ficamos esperando a vida estar 100% certa, não teríamos tido nem o primeiro!!!

Posso dizer, com 100% de certeza, que o nome da irmãzinha (isso mesmo, ele quer uma irmã!!!) já está escolhido: GABRIELA. Desde bem pequeno ele diz isso, é uma homenagem à Bebela, amiguinha dele de Fortaleza.

Agora é planejar, economizar, rezar para o Junior até lá passar em algum concurso e que possamos dar ao Bernardo o melhor presente de todos: um IRMÃO!!!!

Falando nisso, tenho ótimas memórias com açucar com meu irmão, meu herói, meu espelho, meu protetor, a pessoa mais implicante que conheço mas com um coração tão grande quanto ele próprio. Deixo isso para outras postagens... Aguardem

domingo, 29 de agosto de 2010

Frustações de mãe....

Ontem tive a primeira oportunidade de sentir a "frustação" que algumas amigas mães já sentiram em eventos escolares: o filho todo vestido com a fantasia (linda por sinal, algo nem tão comum nas fantasias do colégio!), música na ponta da língua (cantada diariamente por mais de 1 semana!), coreografia ensaiada, família a postos e ele decidi não participar por estar com vergonha!!


Como assim?? Vergonha?? Logo ele que desde pequeno participava de todas as apresentações e evento na Espaço Inteligente, emocionando a todos, por exemplo, ao se levantar e andar cambaleando no palco quando ainda era do Berçário!!! No carnaval e nas festas juninas (em Fortaleza) dançava a música da turma dele e de todas as outras...  


Eu, realmente, não estava acostumada a isso... Já havia acompanhado minha amiga Karine nestas situações e tentava melhorar seu ânimo dizendo que o Arthur era pequeno e que isso ia passar (e realmente passou) mas confesso que quando acontece com a gente, toda a psicologia de "Supernanny" vai por água a baixo.


A gente fica frustada sim, a gente fica chateada sim, triste sim e, muitas vezes, não consegue disfarçar apesar de saber que é fase, que não adianta forçar a criança pois se forçar está arriscado a criança não fazer nunca mais nada, blá, blá, blá.
Acontece que é mais forte que você, o sangue sobe pois você sabe que ele não tem porque sentir vergonha, nem sabe o que isso significa!! Mas a verdade é que a frustação acontece pois toda mãe quer ver seu filho, lindo, se destacando na apresentação da escola. É um sentimento egoísta mas totalmente humano. Que mãe que não sente orgulho em dizer: Está vendo aquele ali na frente? É meu filho!!!  


Mas temos que nos controlar e respeitar a individualidade,  os desejos e sentimentos dos outros, mesmo que o outro seja seu filho de apenas 4 anos. Apesar dele ter nascido de você, não lhe pertence a tal ponto de você ter o direito de impor tudo a ele! Não estou com isso dizendo que não devem existir limites, pelo contrário sou totalmente a favor dos limites e venho travando, como a maioria das mães que conheço, uma batalha diária para que meu filho saiba até aonde pode ir ou não.


Mas no caso de ontem, não houve vencedor na batalha, eu não consegui convencê lo a dançar mas depois ele foi feliz tocar com os amigos na bandinha do colégio para todos aplaudirem... Assim, como dizem: "Entre mortos e feridos, salvaram se todos!!!"


Agora resta aguardar a próxima apresentação para ver qual será a reação...       

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Essencial à vida

Hoje as memórias não tem tanto açucar quanto gostaria... Falarei de um item que muitas vezes não damos o devido valor porém quando falta percebemos que nos é extremamente essencial: a ÁGUA!!!


Há alguns dias, estamos sem abastecimento de água em casa e ontem, finalmente, nossa caixa d'água ficou VAZIA. A partir daí temos a peregrinação à CEDAE, a descoberta da falta de uma bomba (casa recém alugada tem essas surpresas!!!) e a espera ansiosa pela volta da tão querida ÁGUA...


Hoje em dia convivemos com notícias diárias sobre a importância da água e sobre a escassez desse recurso e, como tudo que é falado constantemente, acabamos deixando cair naqueles itens comuns...


Precisamos SIM economizar água para que esta não falte no futuro. Precisamos educar nossos filhos para que não desperdicem água mostrando aos mesmos a falta que a mesma nos faz. Para que no futuro não digamos que somente soubemos o valor desta quando a perdermos.


Agora um pouco de Memórias com Açucar:
Lembro de quando Guilherme Arantes compôs a música Planeta Água e do sucesso que fez ao demonstrar que nosso planeta é quase 100% ÁGUA!!!


Enfim, precisamos economizar água, conscientizar as pessoas e aprender a viver em sociedade se preocupando com o AMANHÃ.



Água que nasce na fonte
Serena do mundo
E que abre um
Profundo grotão
Água que faz inocente
Riacho e deságua
Na corrente do ribeirão...



Águas escuras dos rios
Que levam
A fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população...



Águas que caem das pedras
No véu das cascatas
Ronco de trovão
E depois dormem tranqüilas
No leito dos lagos
No leito dos lagos...



Água dos igarapés
Onde Iara, a mãe d'água
É misteriosa canção
Água que o sol evapora
Pro céu vai embora
Virar nuvens de algodão...

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Começando...

Incentivada por algumas amigas em nossa última viagem a trabalho e após me apaixonar pelo blog (* La vie*) da minha grande amiga de infância - Viviane, decidi começar este blog.


Não tenho pretensão de me tornar uma blogueira famosa (nem sei se é assim que se escreve) mas vou tentar postar histórias interessantes, fatos corriqueiros que pensamos só acontecer em nossas vidas mas, que ao dividirmos (porque a vida deve ser feita de divisões não no sentido de partir mas de repartir) percebemos tantas similaridades.


Enfim, pretendo registrar aqui algumas MEMÓRIAS COM AÇUCAR... minhas, da minha família, de amigos